FELIZ DIA… SERÁ MESMO?

Olá, aqui é a Van 🙂
Espero que este texto te encontre bem.

Hoje de manhã acordei com o celular cheio de mensagens de feliz dia das mulheres e fiquei me questionamento – como em todo 8 de março – o que esse dia significa.

Confesso que senti um grande cansaço e quase não consegui sair da cama. Esta data representa muito esforço, luta e também coragem. Mas também sei o quanto este tema – como todos relacionados às minorias e direitos igualitários – mexe comigo. É algo meu e pode ser que nem todos sintam o mesmo.

Por isso, achei importante falar sobre isso… mais uma vez, agora em 2018.

Muitas pessoas podem falar, mas ainda há uma diferenciação diante do sexo feminino. Tentamos provar o tempo todo para o mundo que não somos o sexo frágil, mas parece que nós ainda não entendemos isso muito bem. Acredito que toda mudança é de dentro para fora, e o mundo nos trata da mesma maneira como nós mesmos nos tratamos, por isso, a luta não deve ser somente para o mundo, mas primeiramente interna.

Será que acreditamos de fato naquilo que discursamos? Quais são as crenças que ainda nos prendem no lugar de submissão, dominação e inferioridade?

Como nos vemos diante do mundo? Como fortes ou vítimas? 

Pergunto isso pois o vitimismo nunca transformou nada. Não dá para apenas lamentar a história, precisamos construir algo novo diante de nossos olhos e para isso, devemos assumir responsabilidades.

A responsabilidade de nossos desejos, sentimentos e atitudes…. Orgulho de nossa história e conquistas. 

Qual a construção que fazemos dia após dia? 

O ponto principal para isso é perceber a forma como nos enxergamos antes de apontar a forma como o outro nos olha. Porque no final das contas, se percebermos de perto, esse outro é apenas um coadjuvante diante de nossa história. Ele só terá o poder que nós mesmos lhe damos.

Sim… existe violência! O Brasil é eleito o 7º no ranking dos países mais violentos para as mulheres. Em uma pesquisa recente, 55% das mulheres sofreram violência física do companheiro… apenas 31% delas denunciaram. Estes números retratam um grande problema social, mas não iremos mudar nada se ficarmos caladas ou na posição de vítima da cultura.

Devemos reconhecer nossa luta e encontrar forças para assumir nosso lugar no mundo. E isso tudo passa pelo reconhecer a nós mesmas como pessoas merecedoras de respeito. 

Nosso processo interno é fundamental nisso tudo e o que mais queremos é que você transforme o seu mundo, sem esperar que isso aconteça sozinho.

O processo de Coaching da People é bem focado no autoconhecimento e empoderamento. Acreditamos que só conseguiremos ser melhores se primeiros aceitarmos quem já somos e acolher nossa sombra é passo fundamental na jornada. Por isso, o empoderamento dá tão certo e as transformações serão concretas!

Como ação de mês das mulheres, ofereceremos 2 sessões de coaching para as 3 primeiras mulheres que reponderem a este e-mail, contando um pouco sobre sua história e porque acha que um processo de autoconhecimento irá ajudá-la. Nestas sessões, focaremos no autoconhecimento e empoderamento feminino.

Também fiz um vídeo sobre esse tema, com algumas reflexões e contando um pouco mais sobre essa ação. Assista, reflita, curta, comente e espalhe essa mensagem. E se isso fizer sentido para você, vamos juntas transformar a sua realidade interna 🙂

Espero você! Estou com você, pois somos unidas por um laço invisível que nos dá força.

Um super beijo

Van

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s