Manifesto Contra A Tirania Da Felicidade

Existe algo de obscuro em nossa relação com a felicidade. É como uma sombra que nos obriga a vestirmos um sorriso e a sentirmos gratidão a todo instante. Negamos certos sentimentos que julgamos negativos, sem perceber que desta forma, nos afastamos de nós mesmos aos poucos, até o dia que nos perderemos completamente.

É impossível negar que a felicidade está na moda, recebemos estímulos para dizermos sim a esse sentimento todos os dias, vemos sorrisos gigantes a todo instante em comerciais de refrigerante e de margarina e somos pressionados a fazermos parte deste movimento.

Será que estamos fazendo isso da forma certa? Será que a felicidade significa negar a tristeza?

Este é o movimento da tirania da felicidade! Não a minha, ou a sua, mas da sociedade que mais uma vez, se impõe a nossa vontade, nos ditando os únicos sentimentos que devemos viver e a recolher o que sentimos que precisa ser vivido.

Que felicidade é essa?

O que queremos encontrar?

Por meio da exposição que nos submetemos, seja nas redes sociais ou nas relações do dia a dia, fica claro a dependência e necessidade de aceitação. Pessoas mostram o que acham que será aceito na esperança de fazerem parte de algum movimento, seja ele qual for.

Em muitos casos, a felicidade é um papel que as pessoas representam. Um exterior cheio de sorrisos que esconde um grande sofrimento.

Porém, não podemos dar o que não temos. Não podemos ser o que não somos. E não podemos deixar de viver o que precisa ser vivido somente por um papel.

Tirania da felicidade, você precisa saber que não te queremos mais!

Nossa cultura nos ensina a esconder verdades… até de nós mesmos, e quando deixamos a necessidade de proteger uma reputação (que tem base um modelo social) sobressair a quem somos de verdade, também permitimos que controlem nossos comportamentos e nossas vidas.

Este é um preço muito alto!

Queremos sentir a alegria e a tristeza, a dor e o amor… queremos ser felizes à nossa maneira, sem julgamento ou distinção. Aceitamos a liberdade para ser e juntos poderemos caminhar de diferentes formas e seguir novos caminhos.

E quando você sentir tristeza, ou qualquer outro sentimento que ameace a imagem de felicidade que a sociedade nos impõe, não se desespere! Esta ameaça não é mais real.

Você está livre para ser feliz à sua maneira!

A principal causa da infelicidade não está nos fatos ou situações e sim em nossos pensamentos em relação a estes. Isso significa que, na maioria das vezes, o que você pensa é o que cria suas emoções.

Observe a ligação entre eles e seja a consciência por trás de seus pensamentos e emoções.

A felicidade não é uma busca e sim uma entrega a si mesmo e tudo o que compõe o seu mundo interno. E esta entrega só é possível através da consciência e do não controle.

Você não precisa ser feliz o tempo todo… inclusive, esta é uma felicidade que não existe, pois ela acontece em momentos aqui e ali, em espaços curtos ou mais longos de tempo.

O que é importante sabermos neste momento é o quanto nos afastamos da real felicidade exatamente por buscá-la de forma incessante, cegos às nossas necessidades internas.

Todas as obrigatoriedades que tiram nossa liberdade de forma parcial ou total encobrem nosso estado natural de bem-estar e aniquilam nossa paz interior, que são a origem da verdadeira felicidade.

Por isso, busque a si em primeiro lugar, sem controle ou permanência (funções que dizem respeito ao ego) e encontrará a felicidade!

Um super beijo,
Vanessa

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s